Caps David Capistrano: MP dá prazo de dois dias à PMA

29/03/2016 - 09H46





         Representantes da prefeitura não compareceram à audiência


          A transferência do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) David Capristano, localizado à Praça Durval Andrade, na Atalaia, para uma Organização Não Governamental (ONG), foi discutida na manhã desta segunda-feira, 28 na Promotoria de Saúde do Ministério Público Estadual (MPE/SE). Os representantes da Prefeitura de Aracaju não compareceram à audiência e o promotor Alex Maia deu um prazo até a próxima quarta-feira, 30, para que seja apresentado o contrato com a Ong.

          Para se ter uma ideia, o Caps David Capristano atende à cerca de 400 pessoas que sofrem de transtornos mentais graves, a exemplo de doenças como esquizofrenia, depressão profunda e transtorno bipolar acentuado.

          Com a decisão da Prefeitura de Aracaju no último dia 16 de fevereiro, além dos profissionais que desenvolvem atividades no local [assistentes sociais, psicólogos, enfermeiros, técnicos administrativos, médicos e nutricionistas], familiares dos pacientes temem que haja uma interrupção no tratamento. Representantes do Conselho Regional de Serviço Social de Sergipe estão na luta para que o Caps não feche as portas.

          De acordo com informações recentes da Secretaria Municipal de Saúde, “os pacientes serão encaminhados para outras unidades, visando dar continuidade aos tratamentos”.

          O promotor Alex Maia não permitiu a presença da imprensa na audiência, alegando que os representantes da Prefeitura de Aracaju não compareceram, apenas os profissionais que desenvolvem atividades no Caps.

Por Aldaci de Souza