Reflexões sobre nomofobia e dependência digital: como a superconexão pode afetar a saúde mental?

20/01/2018 -11H33


               Falar sobre prevenção em saúde mental é estar diante de uma grande mosaico de possibilidades, uma vez que as emoções e os comportamentos humanos se apresentam de modo bastante distinto e se modificam a partir das transformações tecnológicas e socais. Foi pensando nisso que as psicólogas Deysiane Tavares de Melo (CRP 19/3063) e Tandara Kelly Ferreira Barbosa (CRP 19/3062) decidiram falar sobre dependência digital e prevenção em saúde emocional com instrutores e jovens aprendizes do Centro de Integração Empresa-Escola “CIEE Núcleo Aracaju”. As atividades realizadas fazem alusão à Campanha Janeiro Branco e aconteceram na quinta-feira, 18, no auditório do Curso e Colégio Gabarito em Aracaju(SE).

               Para fazer uma introdução da temática, as profissionais utilizaram a ludicidade como meio de chamar a atenção dos adolescentes sobre os mitos, verdades, tabus e preconceitos relacionados à saúde mental. Voluntários foram convidados para estourar Balões Brancos que continham frases que foram lidas pelos participantes e elucidadas pelas facilitadoras. Em seguida, todos os presentes responderam a algumas perguntas com o objetivo de identificar os sentimentos e emoções preponderantes diante do não uso do aparelho celular e outros equipamentos tecnológicos. Uma palestra foi ministrada com o objetivo de auxiliar os participantes a identificar os sintomas da dependência digital e os meios de prevenção.