A intolerância e os impactos na saúde mental

22/01/2018 -12H08


             “Pirâmide dos sentimentos: reflexões sobre intolerância e as consequências à saúde mental”. Essa foi a temática proposta pela psicóloga Angélica Oliveira Nascimento (CRP 19/2737), na quinta-feira,11, para uma atividade de vivência com alunos  e professores do Colégio Estadual Abdias Bezerra, no muncípio de Ribeirópolis.

              A facilitadora da atividade sugeriu uma reflexão sobre os danos que o racismo, a LGBTfobia e todas as formas de preconceito acarretam à saúde mental de suas vítimas e  distribuiu, entre os participantes, notícias de jornal em que havia casos de Bullying ocorridos no Brasil. Em seguida, a turma foi dividida em subgrupos constituídos por docentes e estudantes e a psicóloga solicitou que houvesse um debate sobre as consequências da intolerância e qual relação poderia haver entre a leitura e o que, porventura, os alunos já houvessem presenciado dentro e fora do ambiente escolar.

              Em um segundo momento, a sala de aula se transformou, numa grande roda de conversa. Um participante, em nome cada grupo, pôde escrever num copo descartável o sentimento que melhor pudesse descrever o reflexo das agressões sofridas em casos de bullying, preconceito e discriminação.

              Uma pirâmide foi construída no centro da sala. Um voluntário, surpreendendo a todos, destruiu o monumento de copos descartáveis. Nas reflexões finais da noite, a psicóloga Angélica Oliveira Nascimento refletiu sobre a fragilização emocional, o adoecimento psíquico e, em último caso, a autodestruição praticada por quem sofre preconceito chamando a atenção de todos para um compromisso coletivo com a prevenção e cuidados com a própria a saúde mental e emocional, assim como a dos semelhantes, reflexões amplamente difundidas durante a campanha Janeiro Branco.