Janeiro Branco na Serra do Machado

14/01/2018 -12H39


               A importância de cuidar de si e do outro. Foi com esse objetivo que o psicólogo, Tiago Rezende (CRP19/3088), a psicóloga Renata Aragão (CRP19/3080) e o acadêmico em Psicologia Marques Natan, conduziram a ação "Corredor do Cuidado", dentro da Jornada Pedagógica da Fundação Pedro Paes Mendonça, com foco no Janeiro Branco, na Serra do Machado, no município de Ribeirópolis(SE).  A atividade aconteceu na segunda-feira, 08, e teve como proposta, reafirmar a educação como processo de transformação dos sujeitos, promovendo a difusão da prevenção em saúde.


               “Práticas desenvolvidas pela equipe de saúde da Fundação trazem a perspectiva de ‘Cuidar de Quem Cuida’, tomando como base a concepção ampliada em saúde e seus determinantes sociais, evidenciando a importância de processos em saúde preventiva em detrimento da curativa, colaborando com a qualidade de vida dos funcionários e da população assistida”, explicou Tiago Rezende.

               A professora Andreza Mendonça, que participou da atividade definiu o momento como intenso, sublime. “Passei por um corredor de sentimentos, corredor do cuidado, nunca nos meus 27 anos de vida tinha participado de uma ‘dinâmica’ em grupo tão intensa, tão renovadora, tão curativa. Foi uma troca de energia, de sentimentos muito rica. Acredito que momentos como esses são fundamentais para o bem estar de qualquer ambiente que envolva pessoas que queiram se sentir e fazer o outro se sentir melhor.”

               Atuando como ego auxiliar, o estudante de Psicologia Marques Natan, colabora afirmando que foi uma atividade ousada e revitalizadora para aqueles profissionais, no qual afeto e conexão estavam presentes. “Aproximar os saberes da educação popular em saúde com a ciência/educação ultrapassa as esferas da interdisciplinaridade. Que mais práticas aconteçam e o afeto seja o nosso combustível.”

               Para a psicóloga  Renata Aragão, “a transformação da educação inicia-se e caminha lado a lado com o tato, dessa forma, como deixar de fora o cuidado? Cuidado que transpasse a fala e faça-se perceber que, cada um é parte do processo com grande importância. No corredor do cuidado, o silêncio falou e tocou muito alto, assim percebemos que essa educação transformadora é muito possível”.

               Os registros fotográficos-afetuosos ficaram por conta do olhar de Sammyra Donato, graduanda em Psicologia e fotógrafa, que descreveu o momento como “a oportunidade de ‘fotografar as emoções’, captando as expressões dos sentimentos presentes de maneira singela e sincera”.