Jovens da zona oeste de Aracaju discutem sobre bullying e depressão

21/09/2017 -11H24


               Com o tema “Fatores de risco, valorização da vida e prevenção do suicídio na adolescência”, a psicóloga Patrícia Maria Souza Fraklim (CRP 19/2857) e os estudantes de Psicologia, Luan Belushi Santos Lemos, Daniela de Santana Almeida e Valéria de Farias Gomes promoveram mais uma ação do Setembro Amarelo em Sergipe. O encontro aconteceu no sábado, 16, Salão Paroquial São Judas Tadeu e reuniu jovens da comunidade do bairro América, zona oeste de Aracaju.

               Para psicóloga Patrícia Fraklim,  falar  sobre suicídio para os jovens é sempre considerado um desafio, visto que entre eles muitos comportamentos expressam conflitos ainda a serem resolvidos. “Ao falar sobre os sintomas mais comuns, percebi grande euforia entre eles, numa espécie de reconhecimento do que fora dito. Levar a proposta da campanha para essa comunidade foi, sem dúvida, uma iniciativa que possibilitará resultados importantes, tanto para os jovens, quanto para os líderes de comunidades ali presentes. Sabemos de quanto o índice de suicídio tem crescido entre essa população e esse dado nos sugere  mais ações direcionadas ao cuidado e educação.  Me contenta saber que estas ações têm alcançado pessoas que sofrem e têm oferecido um espaço de partilha, troca e escuta” , disse.

               A atividade foi finalizada com a encenação de três grupos criados no momento em que foram abordados os temas depressão, bullying e valorização da vida,  o que possibilitou uma troca enriquecedora entre eles. Os grupos receberam auxilio dos estudantes de Psicologia e foram orientados pela psicóloga Patrícia Fraklin.

                “Os jovens dessa comunidade aprenderam sobre bullying, a depressão entre outros fatores de risco  e deram  um feedback muito positivo sobre todas as informações que nós levamos. De forma muito animada e dinâmica, a gente conseguiu captar deles a necessidade de se trabalhar o tema valorização e o sentido da vida. Foi de extrema importância o  trabalho do Setembro Amarelo na comunidade do bairro América”, relatou Luan Belushi Santos Lemos, Membro- Catequista da comunidade  e estudante de Psicologia.