Psicólog@s participam de 'Free Hugs' e 'Lanternas da Paz' em Aracaju

10/09/2017 -15H36


               Nesse domingo, 10, Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, psicólogos somaram-se a estudantes de Ligas Acadêmicas, voluntários do CVV e outras instituições para distribuir abraços e chocolates, no Parque da Sementeira, em Aracaju, em um movimento  mundialmente conhecido como Free Hugs Campaign.

                A junção desta iniciativa à Campanha de Prevenção ao Suicídio em Sergipe foi idealizada por estudantes da área de saúde no Estado. Segundo Déborah Pimentel, coordenadora das ações do Setembro Amarelo realizadas junto às ligas e diretórios acadêmicos, a preocupação com a saúde mental dos alunos foi a principal motivação.  “Os riscos de suicídio envolvendo estudantes de medicina e profissionais de saúde são muito altos e preocupantes. Algumas pesquisas realizadas no Estado apontam que a insegurança, a ansiedade, a depressão e a ideação suicida são muito comuns entre os estudantes do curso de medicina, por exemplo. Muitos alunos são de outros Estados, sentem-se isolados, inseguros, desamparados e desejosos de abraços. Isso nos motivou a trazer o ‘Free Hugs’ para a Campanha Setembro Amarelo, este ano, em Sergipe e estendê-la à população. Em 2016 apenas duas ligas participaram da Campanha de Prevenção. Este ano, seis ligas e três diretórios acadêmicos prontamente abraçaram a causa”, relatou.

               Para a psicóloga Renata Aragão (CRP19/3080) esse foi um momento carregado de simbologia e entrega.  “Não estamos habituados a nos dedicar a momentos de afeto por termos que dar conta de tantas exigências em nosso cotidiano. Os abraços que pudemos ofertar na tarde de hoje foram revigorantes e, sobretudo, doces, com a entrega de chocolates. Fiquei muito feliz com a oportunidade de abraçar simbolicamente tantas instituições voltadas às ações de valorização da vida em nosso Estado e, juntos, abraçarmos as pessoas que compareciam ao Parque da Sementeira. A experiência desta tarde trouxe-me a reflexão de que o autocuidado está ligado, inevitavelmente, ao cuidar do outro”, disse a psicóloga.

               Em outro momento do evento entrou em cena, pela primeira vez em Sergipe, o movimento “Lanternas da Paz”, uma homenagem, feita por uma reunião de entidades, às vítimas das bombas atômicas lançadas sobre as cidades de Hiroshima e Nagasaki, no Japão, no fim da Segunda Guerra Mundial em 1945. De acordo  Acelmar Soares Reis, Coordenador do Centro de Valorização da Vida em Sergipe, a ideia de promover o Lanternas da Paz no Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio em nosso Estado foi uma maneira de chamar a atenção das pessoas sobre a violência e autoviolência.

               “Relembrar o sacrifício das vítimas no Japão e transformá-la num ato pela paz surgiu nos Estados Unidos. O CVV tomou conhecimento desta iniciativa e trouxe a ideia para o Brasil como uma forma de despertar as pessoas para a valorização da vida. Em outros Estados do país este evento já vem sendo realizado em mais de dez edições, mas esta é a primeira vez que o Lanternas da Paz foi trazido para Sergipe e teve a idealização e o esforço de Silvia Neves, trabalhadora incansável pela prevenção ao suicídio e uma das fundadoras do Centro de Valorização da Vida em Sergipe. O objetivo é conclamar a sociedade para a não-violência, a disseminação da paz e a fraternidade universal”, destacou.

               O evento promovido pela SOBRAMES, Ligas e Diretórios Acadêmicos e pelo Centro de Valorização da Vida do Estado de Sergipe e pela Associação Sergipana de Psiquiatria contou ainda um sarau, comandado pela Sociedade Brasileira de Médicos Escritores em Sergipe, e apresentações da Banda Abraços, Grupo Luz do Sol, Cia de Dança Loucurart, Banda do Corpo de Bombeiros e do Grupo José do Ban e seus Chorões.