Psicólogos decidem em assembleia geral no CRP19 inscrever inadimplentes no SPC/Serasa

20/06/2017 -18H02


               Em atendimento à convocação, psicólogos inscritos no CRP19 participaram, no dia 17 de junho, na sede do conselho em Aracaju,  da Assembleia geral extraordinária do III Plenário do Conselho Regional de Psicologia da 19ª Região. O Conselheiro presidente Alan Santana Santos iniciou com a demonstração do organograma e de toda estrutura da autarquia e, juntamente com o Conselheiro Tesoureiro, Frederico Alves, abriu discussão sobre a importância da sustentabilidade das contas da autarquia. Também foi apresentado, no site do CRP19, o Portal de Transparência alimentado via sistema portal do Conselho Federal de Psicologia (CFP).

               Na matemática dos recursos, há o repasse compulsório de 25% da arrecadação com anuidade para o CFP e o Conselho desembolsa, mensalmente, cerca de R$ 60 mil mensais para manter o funcionamento em Sergipe. “Precisamos manter o pagamento dos funcionários e fornecedores em dia para não perder a conquistada autonomia de gestão do CR de Sergipe”, explicou o Conselheiro Frederico Alves.

               Ainda na discussão sobre a saúde financeira do CRP19, os psicólogos passaram a debater a possibilidade de inclusão de devedores no SPC/ Serasa.  O levantamento revelou que até maio de 2017, menos de 50% das anuidades, dos 2.150 psicólogos inscritos no CRP19,  estavam pagas. O montante da dívida dos inadimplente, entre 2012 e 2017,  alcança a cifra de R$ 800 mil.  Sobre a dívida ativa, Frederico Alves explicou ainda que apesar de várias tentativas de diálogo e diversos canais chamamento para negociação, ainda é baixo o índice de liquidação da dívida.

               “Nós tentamos contato por telefone, email, boletos, notificação pelos Correios, em último caso publicação em jornais.  E isso gera uma despesa alta para o Conselho.  Outra consequência da baixa arrecadação é que pode gerar um aumento da contribuição, o que sobrecarrega aquele psicólogo que está adimplente com sua anuidade. É importante lembrar que a manutenção da autarquia e o pagamento da anuidade é um dever prescrito em lei, para manter a profissão legalizada e garantir o exercício legal, a representatividade por eleição direta e a participação voluntária nesse espaço coletivo e democrático de gestão”, disse.

               Diante do que foi exposto, a proposta para inserir o profissional inadimplente com anuidade no serviço de proteção ao crédito foi aprovada com oito votos a favor, dois contrários e nenhuma abstenção. “Mas essa estratégia só será utilizada quando todos os canais de negociação forem exauridos. Esta estratégia não prioritária, vamos respeitar os ritos de cobrança já utilizados”, garantiu Frederico.
Para facilitação do o pagamento da anuidade, e consequente recuperação financeira, foi apresentada a possibilidade de quitação via cartão de crédito. “Além dos descontos previstos das formas de pagamento da anuidade, existe a divisão em parcelas e, agora, o pagamento com cartão de crédito. Em alguns casos, a depender da situação, há a possibilidade de se abonar juros e multas. Cada caso será analisado individualmente”, explicou.

               Também foi aprovado pelos psicólogos a proposta de  criação do Grupo de Trabalho de Assuntos Financeiros do CRP19 com objetivo de criar projeto e estudo sobre toda a situação financeira do Conselho e pensar em estratégias de pagamento e sustentabilidade. O processo de criação será encaminhado para apreciação na próxima plenária mensal.