GT Psicologia e Relações Interétnicas do CRP19 participa de debate sobre educação quilombola

28/03/2017 -23H30



               O Grupo de Trabalho de Psicologia e Relações Interétnicas, do Conselho Regional de Psicologia da 19ᵃ Região,  marcou presença como convidado, I Encontro de Educação para As relações étnicos- raciais: Avanços e Desafios da Educação Escolar Quilombola. O encontro que aconteceu no dia 20 de março, em Aracaju (SE), foi promovido pela Secretaria do Estado da Educação, juntamente com o Serviço de Educação em Direitos Humanos e Núcleo de Educação da diversidade e Cidadania, com a finalidade de garantir uma educação de qualidade e de fortalecer a formação continuada para os operadores da educação, com a participação das lideranças locais.

               Na abertura esteve em pauta questões  como o bullying ligada a religião, respeito e questões de gênero. “Direitos humanos e universalidade, são tão inerentes quanto o ato de respirar” pontuou Josevanda Mendonça Franco,  diretora do serviço de Diretos Humanos.
A palestra do professor Zezito Araújo – CESMAC/AL  focou na  Educação Quilombola: Avanços e desafios. Uma apresentação que revelou os estudos sobre  A história da população quilombola,  estratégia de luta contra racismo,  racismo e preconceito e racismo institucional.

               De acordo com a  psicóloga Joseane Bispo,  o evento auxilia na reflexão  sobre as reais demandas e as atuais discussões  da sociedade. “Podemos ver de perto realidades identitárias, históricas e culturais das comunidades tradicionais. Isso nos proporciona conhecer melhor a realidade dessa comunidade marcada por muita luta e resiliência  através de líderes locais,  algo que favorece também a produção de um saber sobre como cuidar e em que é preciso ser cuidado também".

               Para a coordenadora do GT de Relações interétnicas  e Conselheira do CRP19 Eleonora Vaccarezza  “eventos que convocam a sociedade civil organizada para pensar sobre situações que estão presentes no dia a dia de seus membros, de um modo geral,  é um convite a pensarmos sobre as políticas públicas existentes e sobre as vindouras.  De um modo particular, para a Psicologia esta é  uma oportunidade de fazer diferente, de colaborar para a visibilização  das demandas materiais e simbólicas deste segmento da sociedade". 

               A participaram ainda  do encontro, Gabriela Zelice ,  diretora do Departamento de Educação (DED/Seed), e a Maria José, diretora do Colégio 17 de maio,  da Comunidade Quilombola.